quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Render-se

Bordar teias do viver
Como fios de sonhos e quimeras
Sem dualidades e julgamentos
Fluir e Voar
Pensar com as entranhas
Criativizar
Sorver com a razão
E sentir-se vazio
Pleno de Si
Planar no cerne do Sopro
Na força dos elementos
Render-se é não saber
E mesmo assim Confiar
Tecer espírito que cuida
Sem crivos da mente
A verdade como escudo
Render-se
Deixar-se ir
Mas o rumo é que se sabe
Roda que gira por si

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Solitude

De Malu Aguiar para Mônica Valéria Iaromila
"Quando então se pensa em poemas, tomam-se tais caminhos com poemas? Serão esses caminhos somente des-caminhos, des-caminhos de ti a ti? Mas ao mesmo tempo são também, em tantos outros caminhos, caminhos nos quais a língua se torna sonora, são encontros, encontros de uma voz com um Tu perceptível, caminhos de criaturas, esboços de existência talvez, um antecipar-se para si mesmo, à procura de si mesmo.... Uma espécie de volta a casa." (Paul Celan)

Solitude
Fogo Violeta
Grande labareda alquímica
Cada qual urge por transmutar
Elementos há muito aprendidos
Há pouco recolhidos como se não pudesse partir
Apegos deixam-se ir
Observadora, permaneço em amor
Asas se abrem. Voas, assim como eu.
Liberto-me
Tempo de coração ferido
Ficou na pedra boji que se partiu
Zingra ao vento do instante
A terra interior
Brotos vindouros, sementes venusianas
Flores se abrem ao sol
Renovação de todas as manhãs
Morro ao dormir
Renasço ao despertar
Pequena Fênix
Doadora, em confiança na vida
Histórias acre-doces trazem sorrisos
Em silêncio, mesmo em silêncio
No astral dos mundos o encontro é real
Palavras são inúteis ali
Há notas de puro contentamento
Lágrimas acolhidas como chuva fértil
Gratidão
Prece pura no chão dos 4 elementos
Cura da Criança Ferida
Crescimento e Brincadeira
Cavalgando o coiote que reside no sul
Destemida, poesia em espiral, amante
Em corpo e alma

sábado, 2 de julho de 2011

A árvore

A folha
vento levou
Encontro com pássaro-tempo
No ritmo de águas revoltas
O pássaro se foi
Encontrou a água de rio mais sereno
Água rolou quente-fria-quente-fria
Seguiu caminho rumo ao mar
Sobrevoa o oceano e seu mistério
O vento sopra sua voz
Encontro de águas salgada-doce
Clamando o pássaro de volta à folha
Floresta-coração, coração da floresta
Lá ele torna
É dragão, é libélula
E torna pássaro
É mulher, é homem, é bicho, é som
Canção de noite escura
Ritmo toca a semente
Germina
Árvore plantada que tudo vê
Árvore que anda e tudo ouve
Árvore-ser
Galhos altos
Raízes profundas
Continua seu crescer
A cada cantar

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Mar

Não desisto, resisto ou insisto
Somos paradoxo, conflito
Possível é vislumbrar o equilíbrio
Amar você é sol e lua
Céu Estrelado
Noite Escura
Cheiro de pele, acre-doce
Espelho meu
Mestre e Discípulo
Deixo-te ir
Escolho o frescor da carícia
Devir do não-saber

Mudanças são vida
Dores vêm e vão
Livro-me de culpa
apego
ressentimento
Livro-me de possuir
ansiar
culpar

Não desisto, nem resisto
Insisto em amar
Juntos por fios invisíveis
Bailo em você, danças em mim
Nem saudade há entre nós
Porque somos laço
Somos um, ainda que inteiros
Companheiros no invisível

Não desisto, nem resisto
Sigo amando
Resiliência em mim
Não para ou pelo outro
Deixei de perpetuar latência
Acabei com falso fim
E começos precipitados

Estou com você
Na alquimia possível
De nossos abismos
Na saúde e na doença
Na alegria e na tristeza
Esse estado me constitui
Não há razão limitante
Há olhos abertos e discernimento
Lamentos abandonados
Medos enterrados
Ilusões transformadas
Deixei tudo no oceano
Com Iemanjá

domingo, 16 de janeiro de 2011

Manhã do dia 16 de Janeiro, 2011

Um poema da manhã

Pensar o impensável também é pensar
Pensar por pensar é sofrimento
Pensar que o pensar controla algo é ilusão
Pensar para alçar vôo
Abrir as asas de si para o invisível
Deixar-se abrir
Nas várias cicatrizes que se espalham pelo ser
Não só no corpo, visíveis
Mas não alma, impalpáveis
A Luz do dia te pede embate
A Sombra da noite te pede coragem
Destemor necessário para o mergulho
Olhar-se e ver-se
Grande desafio
Deserto e Oceano
Pedra jogada no rio
Que reverbera até não mais ver
Viver é lamber a pele, sentir seu sal
É cheirar o cheiro dos corpos todos
Ouvir a voz das entranhas
Calar
É deixar sua água fecundar a terra
E teu fogo iluminar e incendiar
Viver É
Lágrima e Som
Silêncio e Risada
Que Cósmico e penetrante
É viver o não saber
O Presente Perfeito composto
de nossas fragmentariedades
de nossos pequenos pedaços
memórias
histórias
visões
pensamentos luz de tempos
incertos
Viver
é estar entre dois precipícios
No cerne
O Caminho